Talentosos, perfeitos, bonitos, cheirosos, charmosos e modestos:

quarta-feira, 16 de fevereiro de 2011

"Não piso nem sinto"

Eis que me descubro,pelos olhos da faceira.Sei que sou passível de conclusão primeira,premeditada e rasteira,já de sopetão.
Amo tudo e a todos sem compaixão,sem por que ou perdão,pelo simples prazer de querer.
Meu papel encontra a tinta,minha voz encontra o tom,e meu bico,inúmeras flores transbordando pólem.
Homo-sapiens que sou,quero mais.Quero entrar em almas e pensar por elas pra que se deliciem com meu parecer,e quero comer a carne com o mesmo amor que lhes dou em gravuras remelentas ou abraços fraternos.

Só gostaria de saber o por que.O por que do medo sem fim que nutre as mentes dos menos poéticos.O medo de amar que impedem as pessoas de ouvir declarações sem sentir constrangimento,que impedem homens de demonstrar carinho a amigos e mulheres a amigas.Que desfazem laços fortes como os da amizade apaixonada,como ela sempre deveria ser.
Cá pra nós,vou dizer-lhes.Tenho alguma dificuldade em possuir amizades femininas...Já que quando gosto muito de alguém do sexo oposto,a tendência é a de querer beija-las e afaga-las com todo o carinho que puder oferece-las.Já que pra mim,isso é amar.

Quer desenhos?

3 comentários:

gabriela ticle disse...

colibri, amar pra vc sempre foi tão natural quanto voar de flor em flor. amo vc.

Luquez disse...

^^ Eu também,flor.

Rita Loureiro disse...

"Amo tudo e a todos sem compaixão,sem por que ou perdão,pelo simples prazer de querer."

Isso é bonito e perigoso. será que é mais perigoso do que bonito? Luquinhas, são tantos estes caminhos, tantos...

isso rendia uma boa conversa (^^). Abraço